Quinta-feira, 27 de Outubro de 2011
brief story

  

  

O IMP, Interactive Multimedia Playroom é uma instalação multimédia que veio em seguimento da instalação multimédia Thesaurus conceptualizada pela Prof.ª Dr.ª Rosemary Mountain em Montréal e ambas ambicionam ser ferramentas de desenvolvimento de técnicas e estratégias de mapeamento e categorização de som e as suas relações com o espaço, cor, imagem e movimento (Mountain, Rosemary 2005).

É um work in progress que explora o modo como individualmente percepcionamos e que tipo de emoções determinados elementos nos causam, e que estão directamente correlacionados com a interpretação individual e cultural dos sujeitos. A tangibilidade é fundamental e o facto da instalação ter uma tridimensionalidade e permitir ao utilizador se movimentar num espaço imersivo, faz do IMP uma obra muito atractiva que combina arte, com tecnologia, virtualidade, cultura e um mundo infindável de conceitos.

Na sua génese o IMP é composto por uma matriz cubica com linhas dispostas paralelamente que permitem uma categorização horizontal e vertical de elementos (vídeo, som, imagem). Na instalação original cada elemento está identificado por um código de barras, no IMP cubed, instalação desenvolvida no âmbito de projecto de mestrado de Inês Rocha, a cada elemento está associado uma fiducial, devido a questões de segurança, uma vez que a leitura de código de barras é feita através de um feixe de laser que faz a varredura da superfície e converte as informações para uma codificação binária descodificando a informação (Wikipédia). Dado à imprevisibilidade latente no comportamento das crianças seria impossível garantir o uso correcto do leitor, que foi substituído por uma câmara convencional ligada a um programa desenvolvido em processing que mapeia cada fiducial com um elemento multimédia.

Os projectos desenvolvidos na Universidade de Aveiro são direccionados para as crianças, contemplando também alguns jogos e um site cujo objectivo é permitir a interacção com o utilizador foram do espaço da instalação e permitir criar uma comunidade de estudo, pesquisa e desenvolvimento. De facto, as potencialidades do IMP são várias e desde cedo chamaram a atenção à comunidade cientifica o que levou várias pessoas de diferentes valências a participarem e a desenvolverem módulos e funcionalidades para a mesma. Por um lado isto veio enriquecer e em muito todo o projecto, por outro, criou alguma fragmentação não existindo uma identidade comum consolidada.

 

  




.mais sobre mim
.pesquisar neste blog
 
.Novembro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24

27
28
29
30


.posts recentes

. [elevator pitch #0]

. patterns #0

. lineup

. technology pieces #0

. brief story

. nível #0

.arquivos

. Novembro 2011

. Outubro 2011

blogs SAPO
.subscrever feeds